Profissão de caminhoneiro ou motorista de caminhão

Perguntas e respostas sobre a profissão de caminhoneiro. Como é a rotina e quanto ganha um caminhoneiro? O que é preciso fazer para ser motorista de caminhão? Veja as respostas

» Página Inicial


Como é a rotina de um caminhoneiro?

O caminhoneiro é o profissional da estrada e sua rotina de trabalho está intrinsecamente ligado à estrada. Basicamente sua função é conduzir o caminhão no transporte de cargas de um ponto a outro, isto pode ser dentro do país ou para fora dele. Ele deve ser cuidadoso, ter muita atenção pois a atividade de dirigir requer atenção constante e responsabilidade.

Entre os desafios que ele enfrenta no dia-a-dia estão as estradas ruins que é comum em várias partes do país, o risco de roubos de carga, riscos de acidentes e a solidão que é típica neste caso, já que ele passa vários dias sozinho pelas estradas.

Caminhão na estrada

Quanto ganha um caminhoneiro?

Os ganhos dos caminhoneiros variam. Depende do tamanho do caminhão, da capacidade de carga, se o caminhoneiro é dono do seu próprio caminhão ou se trabalha para uma empresa que fornece os veículos, depende do valor das cargas transportadas, enfim, todas estas variáveis podem fazer com que os salários de um caminhoneiro variem de R$1500,00 a R$5000,00. É claro que existem casos em que caminhoneiros chegam a ganhar mais do que isso, mas, nestes casos, o trabalhador extrapola a jornada permitida, assumindo riscos e colocando sua vida em jogo.

O que é preciso fazer para ser caminhoneiro?

Em primeiro lugar, para desempenhar a profissão de caminhoneiro é necessário ter uma carteira de motorista especial. Existem as categorias D e E para veículos grandes e pesados. Tudo depende do tamanho do veículo e de sua capacidade de carga. A grande diferença da categoria E é o fato de que esta carteira permite que o motorista dirija caminhões com mais de uma unidade tracionada, ou seja, com muito mais capacidade de carga. Além da carteira especial, instituições como o SEST e ou SENAT oferecem cursos profissionalizantes para capacitar motoristas de diversos tipos de carga.

Como está o mercado de trabalho?

O mercado de trabalho clama por profissionais. Há centenas de milhares de vagas em aberto, mas faltam profissionais qualificados. Os motivos: má fama da profissão de caminhoneiro e insegurança nas estradas. Com a regulamentação do trabalho de caminhoneiro aprovada em 2015, as coisas tendem a melhorar e as vagas podem ser preenchidas.

Quais os perigos este profissional enfrenta?

congestionamento de caminhões

A atividade de caminhoneiro é uma das mais perigosas em vários sentidos. Vejamos alguns:

Frases de caminhoneiro

Quando trafegamos pelas estradas é comum lermos as famosas frases que são escritas na traseira dos caminhões. Abaixo selecionamos algumas dessas pérolas:

Fotos de caminhões

Veja abaixo belíssimas galerias de fotos de caminhões

Críticas aos profissionais e ao modelo de transporte

Muitas pessoas não gostam muito de caminhoneiros quando estão dirigindo na estrada. A justificativa para isso é que muitos deles abusam um pouco e pelo fato de ter um veículo grande e pesado acaba não respeitando veículos leves, como os automóveis.

De fato não é muito difícil encontrar situações como esta e quem já dirigiu em pista sabe que ficar na frente de uma carreta na estrada não é uma das coisas mais inteligentes de se fazer.

Outra crítica muito forte e válida é o grande tráfego de caminhões nas rodovias do Brasil. Evidentemente que isto nada tem a haver com a profissão ou os profissionais, mas sim ao modelo de transporte que foi adotado no Brasil. Enquanto que em outros países desenvolvidos a ferrovia e hidrovia são alternativas largamente usada para o escoamento de cargas, no Brasil ela é feita basicamente pelas rodovias e ai entra a grande quantidade de caminhões disputando espaços com automóveis nas principais rodovias do país.

Rodovias como a Anhanguera em São Paulo ou as BR 101 e 116, são exemplo de como é complicado dirigir em meio a tantos caminhões.


 

Veja também



© 2018   |   Guia Trabalho: Profissão, formação e mercado de trabalho   |   Política de Privacidade