Perguntas e Respostas sobre Padre e Sacerdote

Perguntas e respostas sobre qual a diferença entre padre e sacerdote, o que se aprende no seminário e quais as formações necessárias

Qual a diferença entre padre e sacerdote?

Na verdade todo padre é um sacerdote, mas nem todo sacerdote é um padre. Um padre é o sacerdote da religião católica.

O Código de Direito Canônico da Igreja Católica Apostólica Romana prescreve que, pelo batismo, todos os fiéis são incorporados a Cristo, constituindo, assim, o Povo de Deus. Além disso, passam a participar do múnus sacerdotal, profético e régio de Cristo (CDC, cân. 2014). Ou seja, pelo batismo, todos os fiéis são sacerdotes; é o que se chama “Sacerdócio Comum”. Daí a expressão: “Povo Sacerdotal”. Por isso, pode-se afirmar que todo padre é um sacerdote, mas nem todo sacerdote é um padre. Padre, é um título que o “sacerdote comum” recebe ao ser ordenado (Sacramento da Ordem) para exercer um serviço ministerial na Igreja. Isto é o que se chama de “Sacerdócio Ministerial”; também conhecido como “Sacerdócio Específico” ou “Sacerdócio Ordenado”.

O que é um sacerdote?

Padre ou sacerdote

A palavra Sacerdote vem do latim Sacerdos, que quer dizer sagrado e otisque significa representante. Assim sendo, pode-se dizer que um sacerdote é o representante do sagrado. Um sacerdote é um líder religioso que representa o sagrado para a religião em questão. É o sacerdote o responsável por liderar os ritos e cultos que existem., em especial os ritos de sacrifício e expiação de uma divindade.

É alguém devidamente habilitado para dirigir e participar dos rituais sagrado de uma determinada religião. Quase todas as religiões do mundo têm um tipo de sacerdote, porém eles são chamados com outros nomes. Um sacerdote possui dedicação integral e geralmente vive sua vida toda em dedicação à religião e a comunidade que vive em torno daquela fé. Existem, também, religiões que possuem sacerdotisas, ou seja, sacerdotes que são do sexo feminino.

Quando surgiram os sacerdotes?

Existem sacerdotes desde o princípio das civilizações. As religiões chamadas de pagãs e politeístas já eram lideradas por sacerdotes que eram os responsáveis por todas as celebrações. O surgimento dos sacerdotes na tradição judaico-cristã pode ser dividido em três momentos bem distintos:

  • Antes da Lei Mosaica – neste período já existiam os sacerdotes, fato que pode ser comprovado no Livro de Gênesis 14, 18-20, ocasião em que Abraão é abençoado por um sacerdote.
  • Mais tarde, o “cargo” de sacerdote passa a ser confiado pela própria divindade por meio da Lei dada a Moisés, tendo Arão e seus filhos como os primeiros sacerdotes a serem instituídos pela Lei.
  • O terceiro momento remonta à própria vinda de Cristo à terra. Jesus estabelece o sacerdócio perfeito, não sendo mais necessário a intervenção dos sacerdotes assim como era no Antigo Testamento. A ideia do Novo Testamento é que, agora, todos os fiéis são sacerdotes em Cristo, sem nenhuma espécie de intervenção, pois o crente possui acesso direto a Deus.

Quando surgiram os padres?

Os padres surgiram com a religião católica. O nome padre vem do latim e significa pai, e significa que ele está mais perto do Deus Pai, mais perto do sagrado do que as pessoas comuns.

O que fazer para se tornar padre ou sacerdote?

Cada religião possui diferentes formas de transformar uma pessoa comum em um padre ou sacerdote. Em algumas religiões acredita-se que a pessoa é destinada e é escolhida por Deus. Em outras, como na religião católica, o padre precisa passar por uma escola específica que irá prepará-lo, o nome da escola é seminário. O ideal é que a pessoa sinta esse desejo no seu coração e que sua opção seja uma vocação, um chamado de Deus.

O que se aprende no seminário?

No seminário os meninos que decidiram ser padres irão aprender tudo sobre a religião católica. Quais são as crenças, todas as rezas, os nomes dos santos e tudo que envolva a religião. Os padres também passam por formação social e espiritual. No seminário os homens que decidiram dedicar suas vidas à religião aprenderão a ser pastores de almas. Eles são ordenados em uma missa, na qual serão questionados sobre sua fé e sobre sua vocação. Eles prometem dedicar suas vidas totalmente a Deus e a igreja, a serem fiéis ao que aprenderam. Uma das promessas mais conhecidas dos padres é a do celibato. De forma mais específica, o processo de formação de um Padre engloba três dimensões distintas, a saber:

  • a) Formação Humana: nesta dimensão, o candidato ao sacerdócio passa por uma educação para uma vida pautada na disciplina e no domínio dos sentidos. A ideia é auxiliar o aspirante a atingir uma liberdade interior que o credencie a total entrega a Cristo e ao serviço aos mais carentes. Levá-los a uma afetividade madura que lhe permita estabelecer relações humanas equilibradas e responsáveis com os fiéis, tanto homens como mulheres.
  • b) Outra dimensão importante é a intelectual. Nela, o candidato receberá a devida preparação acadêmica a fim de melhor desenvolver o seu ministério. Como pastor do rebanho, caberá a ele, futuramente, a missão de aconselhar e dirigir o povo em assuntos de qualquer natureza. Geralmente, essa formação se dá em todo de oito anos, envolvendo academia e estágio pastoral. São dois os cursos de nível superior que o futuro Padre deverá cursar: Filosofia e Teologia, nesta ordem. Tendo sido aprovado nas duas faculdades, o aspirante à Padre deverá ainda prestar uma espécie de estágio pastoral, o qual é realizado em uma Paróquia indicada pelo Bispo local. Ele será acompanhado e avaliado por um Padre experiente ao qual cabe a missão de ensina e transmitir, na prática, tudo o que está relacionado à administração e ao serviço de uma Paróquia. Esse período é fundamental para que o neo sacerdote se integre à comunidade e ao serviço que irá desenvolver futuramente.
  • c) Formação Espiritual: Nesta etapa lhe é oferecida uma formação bíblica, teológica e espiritual, a fim de que o futuro Padre possa assumir e vivencia ser ministério com liberdade, consciência e competência. No Seminário, o aspirante deverá adquirir uma “cultura espiritual”, fundamentada na leitura de obras da espiritualidade clássica e também nos manuais de teologia espiritual que, entre outras coisas, o ajudarão a atingir uma estrutura interior mediante fundamentos sólidos. Ainda nesta dimensão, é trabalhado o celibato como expressão do testemunho do amor a Jesus Cristo; uma demonstração do seu amor e da entrega total ao Povo de Deus.

O que é um presbítero?

O termo “presbítero” é utilizado no livro de Atos dos Apóstolo para identificar aqueles que pastoreavam e supervisionavam as Igrejas locais (Atos 11, 30; 14, 23; 15, 2,4,6,22,23). Estes homens, por serem “anciãos”, utilizavam seus conhecimentos e experiência para servir como modelos no ensinamento aos mais novos. Eles tinham autoridade e possuíam o respeito do povo (Hebreus 13, 17). Atualmente, algumas Igrejas costumam usar esse termo para designar alguém que já possuiu certa maturidade espiritual para liderar uma Igreja local com autoridade e responsabilidade.

Por Redaweb e redação